Chamada para publicação - Revista REBECA Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual 13

No XXII Encontro da Socine, realizado na Universidade Federal de Goiás (UFG) entre 23 e 26 de outubro deste ano, aconteceu, pela primeira vez, o Seminário Temático “Montagem Audiovisual: Reflexões e Experiências”. Esse ST foi idealizado como um espaço de encontro para compartilhamento de realizações, pesquisas e debates entre artistas de diferentes frentes audiovisuais que têm no fazer kinográfico a sua forma de pensar ou o pensar no fazer da forma (montadores, designers, animadores, entre tantas outras "denominações").

 Assim, na hipótese da montagem audiovisual ser o estado-da-arte do cinema,  o objetivo da coordenação do ST era buscarmos pesquisadores, artistas e/ou professores no intuito de verificarmos conjuntamente a amplitude da pesquisa, da prática e do ensino de edição e montagem em cinema e audiovisual. Entendemos que nesta primeira edição diferentes gestos de montagem em comunhão à experiência dos profissionais foram abordados nas comunicações apresentadas. A qualidade das apresentações nos impulsionou ainda mais à presente comunicação quanto à urgência de publicação brasileira na especificidade da montagem nas artes audiovisuais.

 Como sabem, o aspecto inicial que nos motivou, em setembro de 2017, à proposição desse ST em 2018 foi a necessidade e o desejo de se criar uma rede de professores de montagem audiovisual com o  intuito de nos conhecermos e compartilharmos cada qual suas metodologias de ensino/aprendizagem. Seria uma oportunidade para trocas de experiências pedagógicas fundamentais diante do crescimento de cursos de cinema aqui no Brasil.

Observamos que a montagem é, ao mesmo tempo, uma operação reflexiva, técnica e criativa - o pensar no fazer da forma e a forma no fazer do pensar. As disciplinas obrigatórias de montagem na universidade possuem duração, em média, de 64 horas semestrais quando precisamos dotar os estudantes não apenas de conhecimento técnico mas também de específicos repertórios teóricos e artísticos acerca da matéria (ainda mais na imaterialidade fílmica atual). 

Dessa maneira, perguntamos: Como dosar estes aspectos na sala de aula e/ou em ilhas-de-edição junto ao corpo discente?

Encontramos também diferentes perfis de estudantes. Alguns deles sem qualquer conhecimento em softwares de edição enquanto outros já bastante habilitados no uso das ferramentas digitais. Outros dois aspectos dizem respeito à falta de bibliografia atualizada sobre o tema traduzida para o português e à pouca literatura produzida aqui no Brasil. Ficamos, portanto, restritos aos clássicos estrangeiros sobre montagem cinematográfica sem sequer avançarmos para as experiências das edições em vídeo nos programas televisivos ou nas instalações expositivas, e tampouco atentamos às especificidades da montagem nas “novas” mídias (internet, celular, realidade virtual etc).

 Diante deste cenário, o atual ensino da montagem é tanto desafiador quanto complexo. Ao propor uma publicação sobre as metodologias de montagem queremos iniciar esse compartilhamento didático-metodológico entre professores que se encontram cotidianamente em salas-de-aula e/ou laboratórios. Desta troca, certamente iremos consolidar tal urgente conhecimento coletivo nos ajudando a aprimorar a docência e a relação com os estudantes. Adiante pretendemos organizar outras ações que promovam cursos colaborativos ou então publicações coletivas que atualizem as teorias de montagem na América Latina. 

Por esta razão, convidamos você, participante do ST de Montagem Audiovisual e atuante professor(a), a escrever um artigo para o dossier especial da Revista Rebeca, ainda nesse ano de 2018, registrando a sua prática docente ou um aspecto metodológico do ensino da montagem audiovisual. A ideia é um processo inicial onde tentaremos juntos responder à pergunta:

“É possível aprender a montagem cinematográfica no ensino superior considerando que os desafios são muitos e que experimentar e pensar a montagem são indissociáveis?”

O prazo para o envio do artigo é 30 de novembro de 2018. O texto deve ser submetido diretamente na plataforma da Rebeca. Por favor, orientamos seguir as normas para publicação em conformidade ao periódico acadêmico  através do endereço < https://rebeca.socine.org.br/1/about/submissions#onlineSubmissions >.

Esclarecemos que a publicação do seu texto neste dossier especial  junto à Rebeca trata-se de um convite pontual a você como professor na área e que, portanto, voltaremos ainda a contactá-lo para participação no livro que, futuramente, reunirá as comunicações conforme apresentadas e debatidas em nosso Seminário Temático deste ano na Socine.

Contamos com sua preciosa contribuição e estamos a sua disposição para quaisquer esclarecimentos.

Elianne Ivo e Milena Szafir

 

Além do Dossiê, a revista tem outras quatro seções:

 

Artigos de Temáticas Livres, seção que reúne artigos de temática livre que não se incluam na temática do Dossiê adotada no número;

 

Entrevistas, seção que traz entrevistas com autores, pesquisadores, realizadores, roteiristas, artistas e personalidades da área;

 

Resenhas e Traduções, seção reservada à publicação de resenhas de livros e outras publicações da área, filmes ou filmografias, ampliando para obras audiovisuais de outros formatos como televisão, sites e/ou novas mídias e/ou eventos, além da tradução de artigo significativo já publicado, mas inédito no Brasil;

 

Fora de Quadro, seção voltada para a publicação de trabalhos com forma de expressão e formato livres.

 

As seções DossiêTemática Livre e Fora de Quadro aceitam submissão de trabalhos. Já nas seções Entrevistas e Resenhas e Traduções, tanto as entrevistas como as traduções serão realizadas a critério dos editores de REBECA.

 

 

Receberemos artigos para o Dossiê até 30 de novembro de 2018

 

São aceitos artigos em português, inglês e espanhol

 

A revista recebe artigos das seções Temática Livre e Fora de Quadro em fluxo contínuo 

 

As seções Entrevistas e Resenhas e Traduções serão realizadas a critério dos editores.

 

Para submeter uma proposta à avaliação, as normas listadas em nosso site devem ser observadas. Todos os textos devem ser submetidos pelo sistema OJS (Open Journal Systems) do site da revista. Os artigos passarão pela avaliação de pareceristas ad hoc e Comissão Editorial, com integrantes do Brasil e do exterior, em sistema de avaliação dupla sem identificação de autoria.



Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia