“Revides infantis”: de quando fomos ao cinema e saímos do armário

Vinicios Kabral Ribeiro, Diego Paleólogo Assunção

Resumo


Aparecer. Dar-se a ver. Imagear. O que acontece quando a luz acende, a cortina fecha e temos que nos levantar? O que fazer ao sair da atmosfera fílmica, da espectorialidade cúmplice? Retomar a vida transeunte, à deriva e a errância? Estar imerso no cinema é, também, estar fora do armário. Do cativeiro que criamos para nós mesmos, dos modelos que enraizamos de vida, felicidade, prazer, sexualidade. O ensaio aposta na possibilidade de ampliar nossas gramáticas eróticas e os repertórios de afetividade, a partir das experiências e audiovisualidades de pessoas não heterossexuais.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22475/rebeca.v9n2.698

Direitos autorais 2021 Vinicios Kabral Ribeiro, Diego Paleólogo Assunção

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

voltar para a revista


A rebeca é uma publicação da SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

conheça o site da SOCINE


Licença Creative Commons

 Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia