O zumbi nas telas: breve história de uma metáfora

Autores

  • Fernando S. Vugman UNISUL

DOI:

https://doi.org/10.22475/rebeca.v2n2.312

Resumo

Breve relato histórico dos filmes de zumbi produzidos nos Estados Unidos, comentando alguns dos mais significativos, como Zumbi branco (1932), dirigido por Victor Halpering e estrelado por Bela Lugosi, e que inaugura o gênero. Outros filmes a merecerem comentário são A morta viva (1943), de Jacques Tourner, ainda na fase “haitiana”; A noite dos mortos vivos (1968), dirigido por George Romero, filme que inaugura uma nova fase do gênero; além de Zumbilândia (2009) do diretor Ruben Fleischer, e Meu namorado é um zumbi (2013), de Johnatan Levine. Especial atenção é dada às funções metafóricas do zumbi.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando S. Vugman, UNISUL

Fernando S. Vugman é doutor em literaturas da Língua Inglesa. Professor do Programa de Pós Graduação em Ciências da Linguagem da UNISUL. Editor da Revista Crítica Cultural. Autor de A casa sem fim (contos) e Ficção e pesadelos (pós)modernos.

Downloads

Publicado

2016-07-25

Edição

Seção

Temáticas livres