Memória cultural e o espaço (re)imaginado em Hóspedes da Noite, de Licínio Azevedo

Tiago Vieira, Isabel Macedo

Resumo


O cinema desempenha um papel ativo na formação da nossa compreensão do passado e na definição da agenda para futuros atos de lembrança no seio da sociedade, dado que constitui um meio de memória cultural e visual sobre os países e os espaços e períodos representados. O Grande Hotel da Beira, símbolo de luxo no período colonial, é-nos apresentado em Hóspedes da noite, por dois ex-funcionários, que relembram a sua grandiosidade, enquanto, em simultâneo ouvimos os testemunhos dos novos donos que ocupam este espaço, e que reacendem a memória das deslocações forçadas e dos impactos da Guerra Civil em Moçambique. As memórias do período colonial, mesmo não sendo evocadas (não há qualquer referência ao período colonial), assomam na imagem como a emanação fantasmagórica que inscreve o então presente e eiva o futuro, fazendo com que a preocupação central personagens seja a sobrevivência.


Palavras-chave


memória cultural; cinema; espaço; Moçambique

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22475/rebeca.v9n1.615

Direitos autorais 2020 Tiago Vieira, Isabel Macedo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

voltar para a revista


A rebeca é uma publicação da SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

conheça o site da SOCINE


Licença Creative Commons

 Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia