Flutuações de tempo e espaço por meio do som: voz e música em Família Rodante

Debora Regina Taño, Suzana Reck Miranda

Resumo


A voz, ao ser analisada como um elemento sonoro potente para a construção do filme, pode alterar sua estrutura narrativa. No filme “Família Rodante”, de Pablo Trapero, a sequência em que Emilia narra/recita um conto para a família enquanto seguem viagem apresenta este tipo de potência. A fala de Emilia transita entre formas de narração e de presença do som. Sua voz flutua em relação à imagem criando na mesma sequência momentos de fala dramática e outros de narração épica, numa combinação que torna-se lírica ao acrescentar a trilha musical. Neste momento, uma vez que a voz muda de posição e função narrativa, a palavra e seu conteúdo passam também a ter destaque e a funcionar como enunciadores de pistas sobre o desenvolvimento da trama, ao mesmo tempo em que contam histórias de outra época.


Palavras-chave


Voz; fala flutuante; regimes narrativos; Família Rodante

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22475/rebeca.v9n2.725

Direitos autorais 2021 Debora Regina Taño

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

voltar para a revista


A rebeca é uma publicação da SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

conheça o site da SOCINE


Licença Creative Commons

 Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia