A educação proibida. A narrativa que destrói o passado da escola para construir um “paradigma educacional inovador”

Katya Zuquim Braghini

Resumo


Trata-se de resenha crítica ao filme "A educação proibida", filme documentário dirigido por German Doin e Verónica Guzzo e com Produção da Asociación Civil Redes de Pares/ Reevo. O filme apresenta, paralelamente, duas narrativas que se intercalam. A primeira apresenta uma situação de confronto entre alunos e a educação por eles recebida em uma escola fictícia; outra, que conta com a análise documental de professores com temáticas educacionais inovadoras em diversos países. O interesse do documentário é fomentar a discussão da qualidade de ensino a partir da alteração de paradigmas educacionais. O filme apresenta uma proposição sobre o que deve ser considerado como boa escola na contemporaneidade e, para tanto, condena uma escola dita “tradicional”, construída como um mito na história da educação, esta que, pela inconsistência da análise apresentada, é o ponto fraco do documentário. Educação Proibida é um filme que tem boas intenções levando em conta à questão pedagógica, mas engana o seu público ao construir uma narrativa que condena totalmente o passado da escola.

Palavras-chave


paradigma educacional; invação pedagógica; escola tradicional

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22475/rebeca.v7n1.385

Direitos autorais 2019 Rebeca - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

voltar para a revista


A rebeca é uma publicação da SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

conheça o site da SOCINE


Licença Creative Commons

 Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia