Cindir a cena, partilhar o cinema: sobre Bamako, de Abderrahmane Sissako

Roberta Oliveira Veiga

Resumo


No filme Bamako (2006), o diretor mauritano Abderrahmane Sissako coloca lado a lado, num tribunal imaginário, o povo africano (expropriado de suas formas de vida) e as grandes corporações financeiras mundiais. Assim, permite ao cinema escrever a história a contrapelo. No terreno das ficções cinematográficas, atravessada pelo real, impregnada pelo pó da terra e por rostos negros, num mundo dividido e injusto, onde só os donos do capital têm voz, reescrever a história é conceder ao outro o tempo da imagem e do verbo. É, portanto, reinventar a política.


Palavras-chave


Cinema africano; Dispositivo; Dissenso; Partilha do sensível

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22475/rebeca.v5n2.394

Direitos autorais 2017 Rebeca - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual



REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

voltar para a revista


A rebeca é uma publicação da SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

conheça o site da SOCINE


Licença Creative Commons

 Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia