Um sopro de cura: fruição estética e afetação em corpos audiovisuais para cuidar de traumas coloniais

Thiago Henrique Ribeiro dos Santos, Milene Migliano

Resumo


Arriscamo-nos em uma submetodologia indisciplinada para produzir uma cartografia do “fazer sentir”, a partir de práticas de etnografia digital. No contato com fragmentos de narrativas que nos afetaram ao experienciarmos uma nova maneira de compartilhar cinema, abordamos o experimento Festival Impossível, Curadoria Provisória (CachoeiraDoc, 2020). A experiência de fruição estética de um festival de cinema documentário, como era vivida antes - em contato e fricção com Cachoeira, cidade do Recôncavo Baiano, suas ruínas, histórias, contradições e o contexto da comunidade acadêmica da UFRB -, diante da condição pandêmica, precisou ser reelaborada. Com as possibilidades técnicas disponíveis, o evento se constituiu, para nós, como um experimento-festival capaz de continuar sua trajetória de produção decolonial, interseccional e transgressora das normas vigentes. Consolidou-se também como mobilizador de corpos audiovisuais cuirs, capaz de instaurar processos de cura de traumas sociais, coletivos e individuais, estruturados e mantidos pela modernidade/colonialidade.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22475/rebeca.v9n2.707

Direitos autorais 2021 Thiago Henrique Ribeiro dos Santos, Milene Migliano

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

voltar para a revista


A rebeca é uma publicação da SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

conheça o site da SOCINE


Licença Creative Commons

 Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia