Cinema e o Sonho Implicado: uma leitura deleuziana

Autores

  • Susana Viegas Universidade Nova de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.22475/rebeca.v11n1.814

Palavras-chave:

Gilles Deleuze, Filosofia do cinema, Virtual, Imagem-Sonho

Resumo

Os estudos deleuzianos sobre o cinema destacam a importância dos dois regimes semióticos (imagem-movimento e imagem-tempo) para a compreensão da nossa relação estética e epistemológica com as imagens em movimento. Pelo contrário, este artigo procura destacar os momentos de crise entre os dois regimes assinalando o carácter genérico de incerteza e ambiguidade da natureza das imagens mentais: enfraquecido o esquema sensório-motor que domina na montagem cinematográfica, as personagens, incapazes de agir, podem imaginar, desejar, sonhar, alucinar, e lembrar. Surgem novos tipos de imagem: imagens-recordação, imagens-sonho e imagens-mundo. Como é que esses novos tipos de imagem nos fazem repensar a nossa habitual relação com o mundo e com a realidade? Com este artigo sobre a dimensão virtual e onírica do cinema, procuro contribuir para uma maior disseminação de um dos principais contributos de Gilles Deleuze para a filosofia do cinema: a distinção entre o imaginário e a realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susana Viegas, Universidade Nova de Lisboa

Doutoranda em Filosofia (Estética) pela Universidade Nova de Lisboa, investigadora no Instituto de Filosofia da Linguagem. Co-editora da Cinema: Revista de Filosofia e da magem em Movimento (cjpmi.ifl.pt).

Downloads

Publicado

2022-07-29

Edição

Seção

Temáticas livres