As contradições do projeto da nação moçambicana pós-independência em Virgem Margarida (2012), de Licínio Azevedo

Alex Santana França

Resumo


O presente artigo pretende investigar que problematizações o filme Virgem Margarida (2012), dirigido pelo cineasta brasileiro-moçambicano Licínio Azevedo, pode ainda trazer ao debate sobre o processo de construção e/ou consolidação da nação moçambicana pós-independência, assim como para o entendimento da experiência pós-guerra e pós-colonial no país. A metodologia de análise fílmica proposta nesse trabalho segue a perspectiva de interpretação sócio-histórica (VANOYE, 2014) e análise de imagem e som (PENAFRIA, 2015). Acredita-se que ao retomar o ano de 1975, quando Moçambique torna-se oficialmente um país independente, e em que se dará, na prática, o projeto de nova nação, em parte delineado ainda no período de luta de libertação, Virgem Margarida traz alguns questionamentos à funcionalidade desse projeto, apresentando falhas que não estavam previstas quando então elaborado. Defende-se que a recorrência ao passado no filme não funciona como um desejo retrógrado de reviver o irrecuperável, e sim, estabelecer uma reflexão crítica sobre determinados acontecimentos históricos, a fim de, inclusive, oferecer outras narrativas e olhares sobre esse fatos, que não necessariamente dialoguem com os discursos oficiais, como a opressão e violência sofrida pelas personagens femininas no filme, desde a captura em Maputo pelos soldados do exército da FRELIMO até o treinamento militar ao qual são submetidas para que atingissem o status de “mulher nova”.

Palavras-chave


Cinema e nação; Moçambique pós-independência; filmografia de Licínio Azevedo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22475/rebeca.v6n2.381

Direitos autorais 2018 Rebeca - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

voltar para a revista


A rebeca é uma publicação da SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

conheça o site da SOCINE


Licença Creative Commons

 Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia