A mobilidade enraizada: contradições do cinema africano

Dudley Andrew

Resumo


Tradução: Moema Franca

Moema Franca é doutora em Études du Monde Lusophone, pela Universidade de Paris 3 – Sorbonne Nouvelle (2016), onde também concluiu  o mestrado em Langues, Lettres, Arts, Societés Contemporaines (2005-2007).  Possui mestrado em Comunicação e Culturas Contemporâneas pela UFBA (2004). É autora de Bem Aqui, em Lugar Nenhum (7Letras, 2013), livro de contos finalista do Prêmio Jabuti 2014.

e-mail: moema.franca@gmail.com

 

Este artigo foi extraído de um ensaio de Dudley Andrew entitulado “The roots of the Nomadic: Gilles Deleuze and the Cinema of West Africa”, editado por Gregory Flaxman no livro The Brain is the screen: Deleuze and the Philosophy of Cinema (Minneapolis: University of Minesota Press, 2000, p. 228-243).

Seguindo as pistas abertas por Gilles Deleuze, para quem o cinema da metade do século XX abriu perspectivas inéditas ligadas às formas de oralidade e nomadismo, o presente artigo propõe-se a tecer uma análise do cinema do oeste da África, perseguindo o desenho traçado por um conjunto de filmes em que se alternam a afirmação de uma identidade original e o movimento de uma identidade constantemente em reconstrução e trânsito, forças contraditórias que se expressam pelas figuras do enraziamento - o Baobá - e do nomandismo - os ventos do Sahel.


Palavras-chave


Nomadismo; Identidade; Cinema da África do Oeste

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22475/rebeca.v5n2.404

Direitos autorais 2017 Rebeca - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual



REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

voltar para a revista


A rebeca é uma publicação da SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

conheça o site da SOCINE


Licença Creative Commons

 Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia