Jafar Panahi e a utilização do pós-cinema no cárcere

Jansen hinkel molineti tavares

Resumo


Jafar Panahi é um cineasta iraniano que, por causa de seus filmes e declarações políticas, foi condenado a seis anos de prisão domiciliar e proibido de realizar seu trabalho por vinte anos. Mesmo assim, sem conhecimento do regime teocrático que lhe deu o veredicto, Jafar Panahi dirigiu alguns filmes que tiveram certa notoriedade internacional e revelaram sua prisão. A proposta deste artigo é inter-relacionar os conceitos de pós-cinema com a obra audiovisual feita a partir de obstruções políticas e formais. A entender que o póscinema aparece mesmo em regimes fechados com forte presença da censura. A abordagem de uma análise fílmica de textos culturais produzidos em tais condições, veicula a ideia de um cinema que se torna um pós-cinema (uma outra coisa dentro da contemporaneidade), e dele se projeta não só uma tipologia pós-cinematográfica, contudo uma crítica sociopolítica advinda das proibições.

Palavras-chave


Cinema iraniano; Jafar Panahi; Oriente Médio; Prisão domiciliar.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22475/rebeca.v8n1.568

Direitos autorais 2019 Jansen hinkel molineti tavares

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

voltar para a revista


A rebeca é uma publicação da SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

conheça o site da SOCINE


Licença Creative Commons

 Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia