A resistência de corpos dissidentes no audiovisual brasileiro através da região anal nas telas

Vicente de Paula Nascimento Leite Filho, Gabriela Pereira de Freitas

Resumo


Resumo: Visibilidade às potencialidades subversivas do corpo é uma característica marcante das culturas queer/cuir, que tem reconhecido na região anal, um potente lugar para questionar os rígidos padrões binários de gênero e reinventar mundos possíveis para dissidências sexuais. Deleuze e Guattari trazem o ânus para o debate intelectual que floresce em autores como Guy Hocquenghem e Paul Preciado. O cu ganha destaque nos estudos queer em obras como as de autoras brasileiras (Pelúcio, Mombaça, Pedra Costa) e espanhóis (Preciado, Sáez  e Carrascosa) e tem rompido com interditos nebulosos, ganhado a luz das telas em filmes como Bixa Tracesty, Cuceta e A Rosa Azul de Novalis trazidos neste artigo. A visibilidade deste tabu corporal nestas obras audiovisuais aponta rupturas nas estruturas coloniais heteronormativas, cisgêneras, racistas e patriarcais dominantes ao passo que valoriza as camadas subalternizadas da sociedade friccionando relações éticas e estéticas protagonizadas por bixas e travestis. Com este trabalho elencamos os principais desdobramentos destas imagens anais que vinculam-se às perspectivas de descolonização que reconfiguram contextos comunicacionais/midiáticos, pensamento crítico cultural e identitários no audiovisual brasileiro.


Palavras-chave


queer, audiovisual, cu, antropofagia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22475/rebeca.v10n1.721

Direitos autorais 2021 Vicente de Paula Nascimento Leite Filho, Gabriela Pereira de Freitas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REBECA - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

voltar para a revista


A rebeca é uma publicação da SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual

conheça o site da SOCINE


Licença Creative Commons

 Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia